O que é paralisia supranuclear progressiva?

O nome longo da doença indica que a doença inicia-se devagar e continua a piorar (progressiva), e causa fraqueza (paralisia) por dano em certas regiões do cérebro acima de pequenas estruturas chamadas núcleos que controlam movimentos oculares (supranuclear).
PSP foi descrita como doença distinta em 1964, quando três cientistas publicaram um artigo que distinguiu esta condição da doença de Parkinson. É, às vezes, referida como Síndrome de Steele-Richardson-Olszewski, refletindo os nomes dos cientistas que definiram a doença. A doença é causada, provavelmente, por uma proteína que sofre alterações e é depositada no sistema nervoso central.

 

Existe tratamento?
Atualmente, não existe tratamento efetivo para PSP, porém cientistas estão procurando maneiras melhores para manejar a doença. Em alguns pacientes a lentidão, a rigidez e o desequilíbrio podem responder a agentes antiparkinsonianos como levodopa, ou levodopa combinada com agentes anticolinérgicos, mas o efeito geralmente é temporário. As dificuldades de fala, visão e deglutição geralmente não respondem a medicamentos. Outro grupo de medicações que tiveram algum sucesso modesto em PSP foram antidepressivos. Tratamento não farmacológico pode incluir várias possibilidades. Óculos especiais (prismas) podem ser prescritos. Fisioterapia e tratamento fonoaudiológico para as dificuldades de fala e de deglutição são recomendadas. Um procedimento cirúrgico, a gastrostomia (um tubo através da pele do abdomen até o estômago para manter a alimentação) pode ser necessária quando ocorrem distúrbios de deglutição.

 

Qual o prognóstico?
PSP piora progressivamente, predispondo a complicações sérias como pneumonia secundária a dificuldade de deglutição (disfagia). As complicações mais frequentes são choque ,pneumonia, trauma craniano e fraturas pelas quedas.

 

Que pesquisa está sendo feita?
Como em outras doenças degenerativas há pesquisas em andamento mas ainda sem resultados conclusivos.