Avaliação Neuropsicológica

Além de permitir comprovar que o paciente apresenta (ou não) problemas nas funções avaliadas, pode ser útil para distinguir entre sintomas neurológicos e psiquiátricos e ajudar na definição da doença que causa o mau desempenho.


Demência tem como principal característica a presença de múltiplos déficits cognitivos incluindo memória e pelo menos uma das seguintes esferas da atividade mental: pensamento abstrato, julgamento, linguagem, praxias (capacidade de executar movimentos coordenados com objetivos definidos), gnosias (capacidade de reconhecimento), habilidades construtivas e comportamento. Exames complementares auxiliam no diagnóstico da doença que causa demência, mas é a avaliação neuropsicológica a principal responsável pelo diagnóstico diferencial entre processos demenciais e outras condições neurológicas ou psiquiátricas, principalmente, depressão.


Os testes utilizados para avaliação neuropsicológica de demência no GNCC contêm provas consideradas sensíveis para a detecção dos distúrbios cognitivos mais freqüentes na maioria das demências como: memória tanto recente como remota, linguagem, orientação, atenção e praxias.


Com os dados obtidos através da avaliação neuropsicológica pode-se compreender melhor porque um paciente apresenta dificuldades e pode-se orientar familiares e cuidadores a ajudar o paciente a contornar as suas dificuldades. Ainda, é muito importante para a elaboração dos programas individuais de reabilitação cognitiva.


Quando um novo tratamento é introduzido, a avaliação neuropsicológica é essencial para verificar qual o resultado obtido através da comparação entre os desempenhos antes e depois do tratamento.