Terapia Ocupacional Nas Demências

Como são as atividades?
As atividades são planejadas junto à família e dependem dos sintomas presentes, dos estágios das doenças, das necessidades e dificuldades identificadas pelo paciente e cuidador, do estilo de vida e interesses do paciente, levando-se em consideração as áreas de desempenho ocupacional (atividades de vida diária, trabalho, lazer e participação social), o contexto em que o paciente se encontra (ambiente físico, social e cultural) e suas capacidades cognitivas.
A avaliação consiste no levantamento da história de vida, ocupações, rotinas pregressas e atuais, valores e interesses, principais dificuldades funcionais e potencialidades do paciente, além de uma observação do desempenho em ambiente natural (visita domiciliar).

 

Qual a importância das atividades para o paciente?
A atividade, no contexto da demência, se torna primordial por ser um importante meio de satisfação pessoal, favorecendo a auto-estima frente às incapacidades que vão se instalando na evolução das doenças. À medida que o paciente realiza com freqüência e consistência a seqüência das tarefas, a função pode se manter presente por mais tempo.

 

Como devemos escolher as atividades?
As atividades planejadas nas terapia e orientadas para casa vão se modificando ao longo das doenças. Nas fases iniciais, ou mesmo no comprometimento cognitivo leve, ainda o paciente participa de forma mais efetiva e consciente e, portanto é possível utilizar técnicas de intervenção cognitiva, tais como diários, agendas, calendários, marcações, lembretes escritos, leitura de jornais, atualidades, treinos específicos de memória, planejamentos e programações, mas já se faz necessária a busca de possibilidades para o engajamento em tarefas produtivas e novos potenciais que se bem treinados, podem manter o indivíduo ativo, mesmo que assistido, posteriormente, por mais tempo.
Nestas fases iniciais, a utilização de estímulos através de tecnologias tais como computadores, vídeos, programas diretivos, jogos, fotos e músicas digitalizadas e internet podem ser muito interessantes.

 

Nas fases moderadas, as atividades conquistadas são mantidas o máximo possível e com a perda funcional gradativa, já entrando nas fases avançadas das doenças, as tarefas se tornam mais automáticas, e conduzidas. O afeto é fundamental para manutenção dos vínculos e dos espaços de convivência em grupo, proporcionando tranqüilidade e o foco é muito maior na qualidade de vida.

 

Dentre as atividades que podemos citar como relevantes nos processos de demência estão os recursos expressivos tais como artes plásticas e teatro, o artesanato, a música, o canto e a dança e a jardinagem. Estas atividades se mantêm por mais tempo no percurso das doenças, pois evocam memórias significativas, respostas emocionais e circuitos neurais motivacionais e proporcionam participação social e sustentação da personalidade e identidade. Além disso, validam emoções caóticas e combatem sentimentos de impotência.